01 setembro 2006

Quando o fracasso se torna motivo de louvor



Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto nas vides; ainda que falhe o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que o rebanho seja exterminado da malhada e nos currais não haja gado. Todavia eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação. O Senhor Deus é minha força, ele fará os meus pés como os da corça, e me fará andar sobre os meus lugares altos. Habacuque 3. 17-19.

Hoje, dia primeiro de setembro, foi o último dia de inscrição para o ACAMPADENTRO. Lembro-me aqui do dia em que escrevi um texto falando de todo o trabalho realizado na confecção da arte para o cartaz, e de como corri para fazê-lo em tempo hábil. Lembro-me do quanto fiquei feliz com a aceitação dos textos escritos e enviados a cada aluno, como também aos pais. Lembro-me de ter dito que minha alegria era ainda maior pelo fato de contemplar, pela fé, o trabalhar de Deus na vida de cada aluno da escola durante o evento; por crer na ação poderosa de Deus nos dois dias e meio destinados para o ACAMPADENTRO. Bem, hoje é dia primeiro de setembro, faltariam 6 dias para a realização do mesmo, e infelizmente não o será.

Não o será por vários fatores. Um deles, e principal, por falta de inscrições. O segundo, talvez devido à falta de conhecimento do que um feriado prolongado pode fazer numa programação escolar. Penso ter-me esquecido do fator “queremos viajar”, e de que competir com isto era quase que um suicídio de planejamento.

Confesso estar meio abatido. Afinal, foram dias e noites de pensar laborioso sobre as atividades, de oração pelos despertar dos alunos, como também pelos “voluntariados” que formariam a equipe de trabalho. Afinal, os preletores se deram na difícil tarefa da preparação das mensagens, e são homens capacitados pelo Espírito. Avisá-los de que não falariam mais era algo dolorido, não desejado. Afinal, não há nada pior que sentir o fracasso. Sim, podemos chamar assim, afinal, nosso objetivo não fora alcançado. Os alunos não se sentiram motivados, as expectativas foram frustradas; o trabalhar parece ter sido em vão.

Contudo, volto-me para o texto de Habacuque 3. Lá também percebo ter havido frustrações. O profeta fala de um cenário desencantador. Não há animais no campo. A vide não produz mais frutos, a figueira não mais floresce. Não há vida natural em sua plenitude. A esperança foge das vistas, pois tudo é desolação. Entretanto, a atitude do profeta nos confronta, e de forma inesperada e poderosa, nos anima e ministra as consolações do Senhor. Leva-nos a entender que os que confiam no Senhor, não se abalam, mas permanecem para sempre, independente das circunstâncias (Salmo 125.1).

E é diante da realidade vivida pelo profeta, e suas palavras, que passo a entender uma grande verdade: há uma grande diferença entre o que crê e o descrente: o descrente vê em suas frustrações e fracasso o fim de todas as possibilidades. O crente vê em seus fracassos e frustrações o início de todas elas. O descrente vê apenas a realidade presente de caos, e se desespera. O crente vê além desta, pois sua esperança não está no que ele pode realizar ou deixar de realizar, e se anima com a possibilidade de um futuro melhor. Ele crê que a realidade histórica da humanidade está firmada no que já fora planejado e executado pelo seu Senhor na Cruz do calvário, e no tumulo vazio. Ele olha para além das circunstancias e percebe que até mesmo ossos secos podem ser cheios vida novamente (Ezequiel 37.1-14). O descrente não consegue continuar, não têm de onde tirar forças. O crente olha continuamente para frente e para o alto, na certeza de que os insucessos do presente não se equiparam ao futuro de vitórias e glórias que o esperam em seu Senhor (Fp 3.14 e 1ª. Pd 1. 3-9; 1ª. Jo 3. 1-3)
Assim sendo, eu continuo sendo fortalecido, como Habacuque, pela alegria que, da parte de Deus, vem até ao meu coração. Continuo louvando seu Santo nome, em Seu Filho Jesus Cristo, pelo Seu Espírito que a mim anima e fortalece através do Seu agir consolador. Continuo vendo as glórias infinitas as quais verei serem manifestas em nosso meio, continuamente, e canto: “ainda que a figueira não Florença, ainda que a vide não dê seu fruto, ainda que não haja animais no campo, ainda que meus projetos sejam frutados, alegrar-me-ei no Senhor, pois Sua alegria é a minha força”.

No amor de Deus em Cristo Jesus, Cleber B. Gouveia.
Pastor auxiliar da Primeira IPI do Distrito Federal,
e Capelão do Cedecap, onde seria realizado o ACAMPADENTRO
nos dias 7,8 e 9 deste mês de setembro.

2 comentários:

  1. O texto me falou profundíssimo. Deus seja louvado na sua vida! Continue assim!

    ResponderExcluir
  2. Hb 12 - Olhe para o Autor e consumador da Fé. Aquele que mesmo passando por tanta vergonha e humilhação, não desmaiou na alma e não deixou de correr com perseverança a carreia a qual lhe foi proposta. Vc fez o melhor, fez o excelente, Deus esta feliz com as suas obras. Qquele que passa pelo fogo, sai do fogo como o ouro. Em tudo há um propósito!

    ResponderExcluir